Basta a lógica. O derrame de petróleo foi criminoso 

O 500 Toques faz muito uso de cookies no navegador

Por favor, ative os cookies nas preferências do seu navegador antes de entrar.

27/10/2019
Francisco Cesar Pinheiro Rodrigues

Basta a lógica. O derrame de petróleo foi criminoso

Até agora, não há dúvida de que o derrame de petróleo cru na imensa costa brasileira foi criminoso. Os fundamentos dessa conclusão são, resumidamente, os seguintes:

1. Se um navio petroleiro, carregado, eventualmente naufragou, seu dono já teria aparecido para relatar o infeliz acidente e pleitear a indenização da seguradora da embarcação. Sendo um acidente, não haveria do que se envergonhar. 

2. Mesmo sendo, eventualmente, um “navio fantasma', sem seguro, sua tripulação, antes do navio naufragaar totalmente, teria enviado, por rádio, algum pedido de socorro, dirigido a outras embarcações, mas não há qualquer notícia a respeito. Tragédias humanas dessa natureza logo aparecem na mídia internacional. Segundo informação — salvo engano no jornal “Estadão' —, passam pela região, diariamente, cerca de 2.000 navios. Por que a tripulação do hipotético navio-fantasma, ilegal, preferiria morrer afogada, silenciosamente,  para não prejudicar a reputação do dono da embarcação? Estranhável que não haja um único náufrago nessa história. 

Até agora, não há dúvida de que o derrame de petróleo cru na imensa costa brasileira foi criminoso. Os fundamentos dessa conclusão são, resumidamente, os seguintes: 

1. Se um navio petroleiro, carregado, eventualmente naufragou, seu dono já teria aparecido para relatar o infeliz acidente e pleitear a indenização da seguradora da embarcação. Sendo um acidente, não haveria do que se envergonhar. 

2. Mesmo sendo, eventualmente, um “navio fantasma', sem seguro, sua tripulação, antes do navio naufragar totalmente, teria enviado, por rádio, algum pedido de socorro, dirigido a outras embarcações, mas não há qualquer notícia a respeito. Tragédias humanas dessa natureza logo aparecem na mídia internacional. Segundo informação — salvo engano no jornal “Estadão' —, passam pela região, diariamente, cerca de 2.000 navios. Por que a tripulação do hipotético navio-fantasma, ilegal, preferiria morrer afogada, silenciosamente,  para não prejudicar a reputação do dono da embarcação? Estranhável que não haja um único náufrago nessa história. E há outros fundamentos...

Leia na íntegra

views 13

comentários 0

0

Deseja comentar essa notícia?

Últimos comentários



Negócios

Anunciar

Central de ajuda

Contato

X

Recuperar senha!