Justiça mais rápida: promessa esquecida pelos presidenciáveis 

O 500 Toques faz muito uso de cookies no navegador

Por favor, ative os cookies nas preferências do seu navegador antes de entrar.

23/09/2018
Francisco Cesar Pinheiro Rodrigues

Justiça mais rápida: promessa esquecida pelos presidenciáveis

A recente jurisprudência do STF — permitindo o início de cumprimento da pena após a condenação em segunda instância — moralizou o sistema recursal, na esfera penal, desestimulando a impunidade, sem impedir o réu de insistir no seu direito de direito de recorrer às instâncias superiores. 

A CF, no art.5º, LVII, não proíbe a prisão do réu antes do trânsito em julgado. Ele não perde o status de não-culpado. É preciso que na área cível, seja adotada — via legislativa —, uma orientação assemelhada, utilizando um ônus financeiro que o desestimule devedores a recorrer ao STJ e/ou STF só para protelar. Não adianta a lei processual civil fixar, hoje, os honorários da sucumbência, para serem desembolsados somente muitos anos depois, quando findar a execução. O devedor audacioso, sorrindo, pensa: “No futuro todos estaremos mortos'. 

O serviço de Justiça foi concebido para forçar as pessoas a cumprir suas obrigações. Não me refiro aqui a todos os recursos. Critico apenas ao uso rotineiro e generalizado da protelação, usando uma falha do sistema. 

O hábito da morosidade judicial vem de longe, e não existe apenas no Brasil. Itália, Turquia e Grécia também sofrem com a falha. 

Para saber qual a proposta que um presidenciável deveria fazer para que os processos cíveis terminem em prazo razoável será preciso ler, na íntegra, no blog, meu artigo “O silêncio dos candidatos sobre a justiça'.  Basta clicar o link “Leia na íntegra.

Leia na íntegra

views 31

comentários 0

0

Deseja comentar essa notícia?

Últimos comentários



Negócios

Anunciar

Central de ajuda

Contato

X

Recuperar senha!